Pesquisar

9 de dez de 2011

Pearl Harbor: ataque surpresa?

Imprimir E-mail PDF Orkut Facebook Twitter Mais

As autoridades americanas desconfiavam que, cedo ou tarde, os Estados Unidos entrariam em guerra com o Japão. O ataque à base no Pacífico forneceu o pretexto que faltava para mobilizar a opinião pública para o conflito

O encouraçado USS West Virginia, fundeado na base americana no Havaí, arde em chamas após ser bombardeado por aviões japoneses no dia 7 de dezembro de 1941


Setembro de 1940. Na Europa, a Alemanha nazista e a Itália fascista triunfam: a França foi vencida e ocupada, assim como Bélgica, Holanda, Luxemburgo, Polônia e Tchecoslováquia. Só a Grã-Bretanha ainda resiste, graças à ajuda dos Estados Unidos, que fornecem matéria-prima e equipamentos militares a Londres.

O presidente americano, Franklin Delano Roosevelt está convencido de que os Estados Unidos serão, cedo ou tarde, levados a entrar no conflito. Ele acredita que a participação de seu país é necessária tanto de uma perspectiva política e moral quanto do ponto de vista geopolítico.Um perfeito democrata, ele crê que os EUA devem contribuir para o fim das ditaduras fascistas, mas não só isso. Para os americanos, o perigo da aliança entre alemães e italianos duplica com outra ameaça, ainda mais antiga: o Japão.

Desde o começo do século, a concorrência entre americanos e japoneses vinha se tornando cada vez mais acirrada. Ambos disputavam os imensos mercados da bacia do Pacífico e do Extremo Oriente. Ao longo da década de 1930, a ascensão do Japão à condição de potência global e a agressividade do país passaram a incomodar cada vez mais autoridades civis e militares americanas. As Forças Armadas dos EUA sabiam de antemão que Tóquio seria o principal adversário em caso de um eventual conflito mundial. A Marinha, a Força Aérea e o Exército dos Estados Unidos vinham se preparando havia algum tempo para um enfrentamento com os japoneses, e já haviam traçado planos de guerra detalhados.

Nos círculos americanos de poder, os primeiros alertas sérios do perigo japonês foram a ocupação da Manchúria, em 1931, e a invasão da China, em 1937, ação que marcou o início, de fato, da Segunda Guerra Mundial na Ásia. A ameaça aos Estados Unidos foi reforçada quando o Japão se aliou oficialmente à Alemanha e à Itália por meio do pacto do Eixo. Nessa corrida pelo controle do Extremo Oriente e do Pacífico, os japoneses ocuparam Tonkin, ao norte da Indochina, então colônia francesa fiel ao governo colaboracionista de Vichy.

Extraído do História Viva

Nenhum comentário: