Pesquisar

20 de jan de 2012

União Soviética e República Democrática da China: Revoluções Socialistas

Imprimir E-mail PDF Orkut Facebook Twitter Mais


Mao Tse-tung (1893-1976), líder comunista e principal fundador da República Democrática da China. Foto: Getty Images
Mao Tse-tung (1893-1976), líder comunista e principal fundador da República Democrática da China

Foto: Getty Images

VOLTAIRE SCHILLINg
O sucesso da revolução russa de 1917 está estreitamente ligado ao desastre militar do regime czarista na Primeira Guerra Mundial (1914-1918). O fracasso do czar Nicolau II serviu de estímulo para a eclosão da revolução em Petrogrado, então capital do império, e Moscou.



No dia 25 de outubro, os bolcheviques ("maioria" em russo), partido radical liderado por Lenin e por Trotski, derrubam o governo que momentaneamente substituía o regime do czar e implantam o governo dos operários e camponeses. Segue-se uma terrível guerra civil entre os Vermelhos (como os bolcheviques eram chamados) e os Brancos (os generais do antigo regime que se rebelaram contra Lenin) que se estende por todo o território russo de 1918 até 1920.
Este período foi chamado de Comunismo de Guerra, pois foram aplicadas medidas econômicas e punitivas extremas, drásticas. As colheitas dos camponeses eram simplesmente confiscadas.
O regime soviético 

Lenin assume o seu regime como Ditadura do Proletariado, suprimindo a liberdade partidária e de imprensa. Proclama-se o regime como uma república dos sovietes, isto é, o regime dos conselhos de operários e camponeses, mas que na realidade é inteiramente controlado pelos comunistas (nova designação adotada pelos bolcheviques para marcar posição frente aos partidos socialistas europeus que eram mais moderados).
Este período inicial encerra-se com a morte de Lenin, em janeiro de 1924. No seu lugar assume o poder uma tróica: o triunvirato composto por Stalin, Zinoviev e Kamenev, do qual Trotski é excluído. Stalin, com o posto de secretário-geral, gradativamente usurpa o poder e afasta os demais do controle do partido e da máquina estatal.
O novo projeto denominou-se de "Socialismo num só país", que se opunha a tese da "Revolução permanente" defendida por Leon Trotski, seu maior rival e a quem ele terminou por expulsar da URSS em 1929. Nos anos trinta "a revolução de cima", conduzida por Stalin com mão-de-ferro, ampliará o programa da coletivização do campo, introduzindo os colcozes (fazendas coletivas) e os solfcozes (fazendas estatais), ao mesmo tempo em que inaugura os Planos Qüinqüenais que visavam à industrialização acelerada da URSS.
Por meio da planificação econômica centralizada, controlada pelo Gosplan, o Ministério do Planejamento soviético, a URSS pretendia alcançar o desenvolvimento das grandes nações ocidentais. Durante esse processo, Stalin, por meio do Grande Terror (1936-1938), mistura de perseguições políticas com julgamentos dos acusados de traição, elimina a maior parte dos antigos companheiros de partido comunista, fuzilando-os ou enviando-os para a rede dos campos de trabalho forçado (Gulag).
A peculiaridade da Revolução Chinesa (1927 - 1949) 

A Revolução Chinesa não resultou de uma abrupta e intempestiva insurreição de massas, como ocorreu na tomada da Bastilha em 14 de julho de 1789, na França absolutista, nem de um surpreendente golpe de estado como aquele que foi dado pelos bolcheviques quando a guarda vermelha proletária e os marinheiros rebelados assaltaram o Palácio de Inverno em São Petersburgo, na Rússia czarista, em 25 de outubro de 1917. A ascensão dos revolucionários conduzidos por Mao Tse-Tung foi o resultado final da mais longa guerra civil do nosso século, entre nacionalistas, liderados pelo general Chiang Kai-shek, e os comunistas.
Esse conflito, iniciado em 1927 em algumas cidades do sul da China, culminou em uma guerra generalizada 20 anos depois, na qual milhões de homens participaram.
Os períodos da guerra civil na China 

Tal guerra civil pode ser classificada em três grandes períodos: o primeiro deles vai de 1927 a 1930, quando a estratégia do Partido Comunista chinês orientava-se para o assalto e a ocupação de grandes cidades como Xangai, Cantão (Gengzhou) e Changsha, onde seus seguidores haviam sido derrotados e expulsos, tendo seus quadros urbanos praticamente exterminados pelo exército nacionalista.
O segundo período deu-se entre os anos de 1930 a 1937, quando a liderança do PC chinês concentrou-se em Mao Tse-Tung, ocorrendo com isso uma radical inflexão na estratégia do partido, que tratou de formar e consolidar os chamados "sovietes rurais", tendo por apoio os camponeses do interior da China. Com isso, os comunistas chineses abandonaram do seu horizonte próximo a possibilidade de liderar uma revolução urbana que lhe proporcionasse uma rápida ascensão ao poder. Mao Tse-Tung, apelando para uma das celebradas virtudes chinesas - a paciência -, estabeleceu como estratégia do partido uma luta de longa duração, tendo o aperfeiçoamento de guerrilhas como principal instrumento.
Após serem obrigados a abandonar o primeiro soviete nas montanhas de Ching-Kangshan, das quais os comunistas se retiraram pressionados pela chamada "5ª campanha de extermínio" ordenada pelo General Chiang Kai-shek, que os chamava de "bandidos vermelhos", ocorreu o momento épico da história revolucionária da China moderna: a Longa Marcha. Percorrendo um caminho de aproximadamente 10 mil quilômetros pelo interior do país, entre 1934 e 1935, os comunistas sobreviventes conseguiram abrigar-se no soviete de Yenan, na província de Shensi. Por ser uma região árida e inóspita, ela os protegeu tanto dos ataques dos nacionalistas como da invasão japonesa, que começou em julho de 1937.
Finalmente, o terceiro período da demorada guerra civil ocorreu ao término da Segunda Guerra Mundial, entre 1946 e 1949, quando os guerrilheiros maoístas, depois de travarem curtas batalhas contra o exército nacionalista, desbarataram definitivamente as divisões do General Chiang Kai-shek, expulsando-o do país e fundando a República Popular da China em 1º outubro de 1949.
O caráter nacional e camponês da Revolução Chinesa 

A revolução chinesa de 1949 distinguiu-se da Francesa de 1789 e da Russa de 1917 na medida em que as questões nacionais assumiram - sua dimensão anticolonialista - uma importância muito maior que o espírito cosmopolita, universal, imanente ao jacobinismo e ao bolchevismo (onde o nacionalismo encontrava-se subordinado a uma estratégia ideológica internacionalista). Os comunistas chineses, ou maoístas, sinicizaram o marxismo, adaptando-o às circunstâncias de uma nação de camponeses humilhada pelas potências coloniais desde os tempos das Guerras do Ópio (1839-1842).
Outra relevante questão foi a de que a vanguarda revolucionária chinesa possuía estreitas raízes com o campo e interpretavam as aspirações mais profundas daquele imenso continente de camponeses que formava e ainda forma a China dos nossos dias. Quantitativamente, pelo número de pessoas envolvidas, tratou-se da maior revolução social de todos os tempos. Qualitativamente, porém, seu âmbito foi bem mais restrito do que as duas outras revoluções citadas, pois a revolução de Mao Tse-Tung ficou inicialmente circunscrita às fronteiras da China (se bem que com reflexos sobre a Coréia e o Vietnã).
Se os jacobinos e bolcheviques pretendiam ter descoberto a álgebra da revolução válida para a sua época, o maoísmo foi mais modesto, acreditando-se como uma solução revolucionária a ser seguida preferencialmente pelos países colonizados ou semicolonizados do Terceiro Mundo.
Maoístas e bolcheviques 

Particularmente em relação à Revolução Russa, podemos apontar algumas vantagens substanciais que favoreceram a implantação do regime socialista na China. Em primeiro lugar, a base social dos maoístas foi muito mais ampla do que a dos bolcheviques. Atrás das forças do Exército de Libertação Nacional comandado por Mao Tse-Tung encontravam-se milhões de camponeses, de operários, de estudantes e de intelectuais que viam no maoísmo o grande elemento integrador de uma China internamente esfacelada e constantemente saqueada pelas forças estrangeiras.
Já os bolcheviques apoiavam-se na escassa classe proletária urbana russa, que não perfazia mais de 3% da população global do país e praticamente não tinham nenhuma ligação expressiva com os kristiani, os camponeses pobres, nem com os kulaks, os camponeses remediados. Contaram os bolcheviques com bem pouco apoio da intelligentsia - a classe dos intelectuais na Rússia -, mais simpática aos partidos mencheviques, aos dos sociais-revolucionários ou aos liberais, visto que os bolcheviques pareciam tirânicos e autoritários.
Os maoístas ainda tiveram a seu favor o fato de não terem que padecer de uma guerra civil acompanhada de intervenções estrangeiras após a tomada do poder, como aconteceu com os bolcheviques nos anos de 1918 a 1920 na Rússia, quando além de terem enfrentado os exércitos contra-revolucionários dos brancos (ex-czaristas), viram parte do país ser ocupada por tropas inglesas, norte-americanas, francesas e japonesas entre 1919 e 1921.
O estado-maior revolucionário chinês, bem antes de chegar ao poder em 1949, já formava um grupo de calejados militantes que estavam acostumados a trabalhar juntos pelo menos desde a década de 1930. Eles possuíam experiência administrativa, política e militar obtida na gerência dos sovietes de Kiangsi e Shensi, bem ao contrário dos bolcheviques, que praticamente emergiram do exílio, das prisões e da clandestinidade para o exercício direto do poder.
Finalmente, dois outros aspectos fundamentais tornaram menos árdua a estrada dos maoístas na implantação da revolução: em primeiro lugar, contou a seu favor a existência da União Soviética com potencial nuclear - o que desestimulou tentativas mais vigorosas e agressivas por parte das forças contra-revolucionárias internas e externas de tentarem impedir ou protelar as reformas econômicas e sociais. A conseqüência disso para os maoístas foi a existência de um mundo menos hostil para sua política do que aquele que os bolcheviques tiveram que amargar nos anos 1920 e 1930, quando padeceram de um quase total isolamento.
Os maoístas sabiam de antemão o que deviam evitar a partir da simples observação do que ocorrera com a experiência soviética. Desta maneira, a China não conheceu nenhuma coletivização forçada da terra, decretada de cima para baixo, podendo avançar com mais cautela na implantação do seu sistema industrial como na aplicação de uma economia planificada de um modo geral. Quer dizer, a existência de uma experiência socialista na vizinha União Soviética poupou os chineses dos enormes sofrimentos e traumas por que os russos tiveram que passar, pelo menos até os trágicos acontecimentos da Revolução Cultural de 1965 e 1976.
A maior barreira que os maoístas enfrentaram para transformar a China e fazê-la avançar era o imenso atraso de um país essencialmente camponês cujo desenvolvimento tecnológico, científico e educacional (no sentido moderno) era praticamente inexistente.
Fonte: Terra

Nenhum comentário: